Indice Anterior
Rev Cubana Enfermer 2003;19(3):

Colaboración extranjera

Universidade Federal do Ceará. Brazil

Percepcões de enfermeiros e gestantes sobre a assistência pré-natal: uma análise á luz de king*

Enf. Escolástica Rejane Ferreira Moura1 Enf. Maria Socorro Pereira Rodrígues2 y Enf Raimunda Magalhaes da Silva3

Resumo

Trata-se de trabalho descritivo que teve por objetivo analisar a assistência de enfermagem implementada no pré-natal, a partir de percepções dos próprios enfermeiros e das gestantes. Os dados foram colhidos em 08 municípios do Ceará, em maio e junho de 2001. Para coleta dos dados utilizou-se a observação participante, entrevista, aplicação de questionário e revisão de prontuários. A amostra foi constituída por 30 enfermeiros e 30 gestantes. Os resultados foram analizados á luz da teoria de King. Constatou-se que os enfermeiros estabelecem uma interacão satisfactória com a clientela, contribuindo para validacão dos seguintes pressupostos da teoria de King: o processo de interação é influenciado pelas percepções do enfermeiro e do cliente; o enfermeiro deve informar os clientes quanto aos aspectos do cuidado á saúde , o que corresponde ao direito do cliente de receber informações sobre os cuidados de saúde e conseqüentemente de participar das decisões que influenciam a mesma; a congruência de percepcão de enfermeiros e clientes sobre o desempenho do papel profissional favorece a que ocorra transacão. Os enfermeiros demostraram possuir conhecimento técnico e atitude favorável á implementacão da sistematização da asistência de enfermagen (SAE), porém não desenvolvem na prática.

Descritores: CUIDADO PRÉ-NATAL, ENFERMAGEM, TEORIA DE ENFERMAGEM.

A atenção pré-natal, em geral, envolve procedimentos simples, devendo o profissional de saûde, que presta esse cuidado, de-dicar-se a escutar a gestante, oferecer-lhe apoio, estabelecer uma ralação de confiança com a mesma e ajudá-la conduzir a experiência da maternidade com mais autonomia (BRASIL, 2000).

Com o advento do Programa Saúde da Família (PSF), o enfermeiro como membro da equipe, ganhou um amplo espaço de atuaço na assistência pré-natal. No Ceará, por exemplo, já somam 1.300 enfermeiros atuando nessa ação, em todo Estado (SESA, 2001). Aliás, Sepúlveda (2000) afirma que a atuação do enfermeiro no cuidado às gestantes vem ganhnando destaque desde a implantação do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) em 1985, apesa de ainda não ter sido possível elucidar alguns obstáculos como a caracterização do papel da enfermeira tendo em vista uma melhor especificação de suas funções, e de definicões mais concretas quanto á práctica da consulta e da execução do parto.

Diante do exposto ressalta-se que a aplicação de uma teoria na prática da enfermagem apóia os enfermeiros na definição de seu papel, no melhor conhecimento da realidade e conseqüente adequação e qualidade do desempenho profissional, proporcinando aos clientes submeter-se a procedimentos e cuidados com menos danos (CHINN & KRAMER, 1995; MELEIS (1997); e BARNUM (1998). Portanto, o desejo de realizar o presente estudo, surgiu com o objetivo de analisar o desempenho de enfermeiros na assistência pré-natal à luz de uma teoria, tendo sido seleccionada a teoria do alcance de metas de Imogene King. Adotou-se a referida teoria uma vez que esta condidera que os seres humanos são seres sociais, conscientes, racionais, perceptivos, que reagem, que têm objetivos orientados para a ação e orientados no tempo e que, o objeto de estudo na enfermagem são as interações dos seres humanos com o ambiente, que os leva a um estado de saúde que permite o desempenho dos diferentes papéis sociais. Nessa asertiva, King (1981) destaca os clientes como agentes ativos no processo saúde-doença, bem como uma estratégia para o alcance do estado de saúde. Desta forma, analisasr a asistência de enfermagem oferecida no significativa no pré-natal sob a perspectiva da coparticipação das gestantes parece trazer contribuições significativas, uma vez que a principal meta da assistencia pré-natal é desenvolver potencialidades nas gestantes para que essas exerçam a maternidade com autonomia.

A Teoria do alcance de metas

Na teoria do alcance de metas, King (1981) pressupões que as percepções(objetivos, necesidades e valores) do enfermeiro e do cliente influenciam o processo de interação; que é dever do enfermeiro informar os clientes quanto aos aspecto do ciudado á saúde, para ajudá-los a tomar decisões consciente; que os cliente têm o direito de recerber de informações sobre os cuidados de sua saúde e participar das decisões que influenciam sua vida sua saúde e os serviços comunitários; que acorrerão transações positivas a partir da congruência das expectativas de desempenho de papel, conforme a percepção do cliente e do enfermeiro; e que debe haver coerência entre os objetivos dos enfermeiros e dos clientes, sendo direito desees aceitar ou rejeitar qualquer aspecto do cuidado á saúde. Neste sentido, a teorista destaca que a interação entre enfermeiro e cliente, com o objetivo de antingir a meta, se estabelece conforme o diagrama abaixo, ou seja, cada indivíduo envolvido em uma interação oferece diferentes idéias, atitudes e percepções a serem compartilhadas; cada um faz um jugalmento, agindo mentalmente; cada um reage ao outro e á situação (percepção-julgamento-ação-reação) para o alcance de metas, ao que King denomina de transação.

Fig. Adaptado de King I.M. toward a theory of nursing: general concepts of human behavior, New York: Wiley, 1971. p. 175. In: George, 2000.

Ademais, King (1981) afirma que os seres humanos, em intereção, podem adquirir autonomia e, assim, serem capazes de estabelecer objetivos e metas de vida, além de definir estratégias para sua consecução.

A mesma autora construiu 10 conceitos para descrever a interação enfermeiro-cliente, os quais sâo: interação, transação, precepção, comunicação, self ou ego, papel, estresse crescimento e desenvolvimento, tempo e espaço. Todavia, na análise dos resultados desde trabalho foram utilizados os conceitos de percepção, interação, transação, comunicação, self ou ego e papel, apresentados na própria discussâo dos resultados.

Métodos

Trata-se de estudo descritivo-exploratório, de caráter quantitativo e qualitativo realizado em oito municípios de Estado do Ceará (Brasil), incluindo suas sedes e pelo menos uma localidade de zona rural, por município. A amostra foi constituida por 30 enfermeiros (94 % da populaçâo de enfermeiros do universo pesquisado) e 30 gestantes. A intenção era pesquisar 100 % da população de enfermeiros do universo da pesquisa, entretanto, 02 se eximiram de participar. O número de gestantes foi determinado pela saturação do teor dos comentários abordados nas entrevistas. Os dados foram coletados através da observação participante, entrevistas ás gestantes, resposta direta dos enfermeiros a questionários e revisão de prontuários, nos meses de maio e junho de 2001. Os resultados foram analisados á luz dos pressupostos da teoria de King, como também foram introduzidos os conceitos chaves de sua teoria para evidenciar a importância da práctica de enfermagen, segundo un referencial teórico.

A pesquisa foi aprobada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (COMEPE), do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Ceará, na conformidades das normas que regulamentam a pesquisa em seres humanos, resolução no. 196/96, do Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde.

Apresentação e discussão dos resultados

Os resultados foram organizados tendo por base as percepçôes emitidas pelos sujeitos pesquisadoos (enfermeiros e gestantes), bem como dos aspectos da observaçâo participante, registrados no diário de campo. No presente artigo, a percepção é entendida como sendo única para cada indivíduo e representa o que cada pessoa traz de si e elabora, conforme seu meio e sua realidade (KING, 1981). É como cada pessoa se vê ou vê determinada realidade. Aplicando a idéia conceitual de Jersild, King definiu que a combinação de pensamentos e sentimentos que constituem a percepção que a pessoa tem de sua existência individual, sua concepção de quem e do que é constitui seu self ou ego (GEROGE, 20002). Portanto, conhecer as percepções dos enfermeiros e das gestantes, quanto á assistência de enfermagen no pré-natal, resulta na identificação de um universo de sentimentos e aspirações do mais valioso significado para a pática da enfermagem, no sentido de contribuir para uma melhor adequação das ações oferecidas paera á realidade dessas gestantes, famílias e comunidade.

Os enfermeiros, mediante resposta dada diretamente aos questionários, registram as atividades consideradas prioritárias para que seja desenvolvida uma adequada assistência de enfermagem no pré-natal. Essas atividades estão apresentadas a seguir, acompanhadas da respectiva freqüência absoluta com que foram citadas: consulta de enfermagem (28); atividades de orientação e informação em saúde, a nível individual e grupal (14) visita domiciliar (07); referência para outros profissionais e/ou de maior complexidade (06); captação precoce das gestantes e seu cadastramento (04); reunião com a familia (02); participação em atividades voltadas para suplementaçao alimentar das gestantes desnutridas (02); participação em atividades de confecção do enxoval do bebê, em parceria com ação social (01) e avaliação dessas ações (01). Esses resultados permitem inferir que qu os enfermeiros atuam, significativamente, tanto no campo assistencial (consulta de enfermagem), quanto no campo das atividades de informação em saúde, despontando, também, a visita domiciliar e alguma atividade intersetorial e de avaliação.

Considerando o destaque dado á consulta de enfermagem, no momento em que foi citada por 28, dos 30 enfermeiros da amostra, duas vezes mais do que a segunda atividade considerada prioritária pela categoría, passaremos a discuti-la com maiores detalhes.

Na opinião dos enfermeiros, os aspectos relevantes da consulta de enfermagem dizem respeito ao acolhimento; ao relacionamento interperssoal; a realização da história clínica e obstétrica, de forma a contemplar, inclusive, a identificação dos fatores psicológicos, sociais e educacionais, na perspectiva de uma abordagem holística e individual; a solicitação dos exames laboratoriais a imunização contra o tétano; o registro das consultas e a referência para outros profissionais em outros níveis de complexidade da assistência á saúde. As gestantes identificarram como pontos relevantes da consulta de enfermagem, a interação estabelecida pelo emfermeiro, as orientações voltadas para o cuidado da saúde, a realização do exame físico e obstétrico e a solicitação dos exames laboratoriais. Portando, a análise desse dados remete a dois aspectos apresentados na teoria de King. Um, que é a própia interação enfemeiro-gestante, como marco do exercício da enfermagem, sendo procedida através de uma relação de percepção-julgamento-ação-reação (fig. ) ressaltada pelos enfermeiros e pelas gestantes como um dos pontos mais relevantes da consulta de enfermagem; e um outro que faz refletir um dos pressupostos da teoria do alcance de metas, quando King estabelece que havendo congruência de percepção do enfermeiro e cliente quanto ás expectativas do papel e seu desempenho, mais fácilmente ocorrerão transações. Neste sentido, constatou-se have essa congruencia quanto aos pontos relevantes da consulta de enfermagem que foram destacados por enfermeiros e gestantes, portanto, condição favorável ao alcance de metas. Ademais, o papel é descrito na teoria do alcance de metas como o conjunto de comportamentos esperados de pessoas que ocupam uma posição em determinado sistema, ou, ainda, regras alusivas a direitos e deveres, ao exemplo de uma relação com um ou mais indivíduos, interagindo em situaçôes com propósitos específicos (KING, 1981). Na interação enfermeirô-cliente, é importante a clarezca de papéis para que haja alcance de metas, pois havendo conflitos de papéis, o alcance de metas estará comprometido.

Ainda com relação a performance dos enfermeiros na consulta de enfermagem, os mesmos delinearam como relevantes nas suas práticas os seguintes aspectos:

Infere-se desees achados, que os enfermeiros têm uma visão holística quanto á assistência a ser dispensada ás gestantes uma vez que é destacado por eles aspectos que contextualizam o uma vivência no âmbito biopsicoespiritual da gestante, merecendo destaque ao que extrapola o componente, tão somente biológico da assistência, como acolhimento á gestante, o envolvimento do parceiro e a preocupação com os aspectos psicológicos, sociais e educacionais da gestação. Dentre as falas dos enfermeiros e das gestantes a ese respeito, selecionou-se, para reprodução, aquelas que descreveram aspectos relevantes da ações de enfermagen, e que de alguma forma guardam sintonia com os ensinamentos de King (1981).

Os depoimentos trancrito a seguir, por exemplo, permitem a observação de que o enfermeiro interage com a gestante, favorecendo o estabelecimento de vínculo; garante o direito â informação e estabelece metas conjuntamente, estimulando seu alcance a través da adoção de medidas de autocuidado. As gestantes por sua vez afirmaram que os enfermeiros interagem de maneira satisfatória, estabelecem uma relação de confiança na medida em que identificam necessidades e implementam estratégias para o alcance de metas (transação) a través de uma comunicação efetiva. Para King (1981) a comunicação é o intercâmbio de informações, verbais ou ñao verbais, reconhecidas quando gera satisfação e entendimento entre pessoas. A comunicação se faz adequada quando se estabelece uma relação de confiança e entendimento com o outro, o que irá beneficiar a identificação de necesidades e potencialidades que serão trabalhadas para o alcance de metas. A comunicação é o meio para o sucesso das interações entre enfermeiros e clientes, representando, tal vez, a principal estratégia dos enfermeiros no cuidado dos seres humanos.

Cumprimento todas as gestantes, estabeleço diálogo ao entrarem no consultório; converso muito com as gestantes, identificando as necessidades para ensinar o autocuidado; oriento sobre os exames de rotina, exames de mamas, estado nuticional, medida de altura uterina e quanto á alimentação (E 15).
Ela (a enfermeira) tira nossa dúvidas, faz perguntas, ensina os cuidados, está sempre aberta para nos receber e qualquer dúvida procurar por ela (G9, G29, G3, G5, G6 e G23).
Eu acho a consulta ótima. A enfermeira atende muito bem, é paciente (...) se preocupa com a saúde da gente. A gente fica sabendo como tá a criança, se tá tudo bem. É muito bom. (G7, G8, G10, G11 e G16).

Os depoimentos de duas enfermeiras, explicitados a seguir, são úteis para identificar a sensibilidade delas, na condução de um processo de interação e comunicação na definição de metas e de estratégias para tornar o mesmo congruente á teoria de King (1981).

Faco perguntas para as gestantes uso linguagem acessível, mostrando com gestos e gravuras o que pretendo ensinar; tenho sempre a preocupação de conferir com a mulher o que ela entendeu, pedindo que ela repita com as palavras de la ... (E16).
Eu tento ouvir todas as queixas das gestantes, algumas por serem tímidas faço as perguntas, incentivando o diálogo; oriento sobre.... estimulo a participação e o crescimento de cada uma; parabenizo ações corretas para que elas possam se sentir capazes, com potencial, e estimuladas para novos avanços (E19).

Já no relato apresentado, adiante, a enfermeira descreve uma consulta de enfermagem que permite identificar o exercício da enfermagem conforme proposto por King (1981), um processo de ação, reação e interação enfermeira-cliente, o qual com maior facilidade conduzirá á transação. Sobre a realidade constatada, ressalta-se a oportunidade favorável que está sendo criada por essas enfermeiras para que as gestantes alcancem suas metas de saúde.

Estabeleço um vínculo com na 1a consulta para que possa haver trocas de informações durante todo o acompanhamento pré-natal.
Após o recebimento, procuro identificar as queixas das gestantes, sua periodicidade, tempo que apresenta queixas e horários mais freqüentes de sua ocorrência. Em seguida examino prontuário para saber as acorrências e orientações da consulta anterior. Depois são feitas as avaliações do estado em que se encontra a gestante e realizado o exame.
Todas essas atividades são realizadas com a gestante, mantendo -se uma troca de informações e diálogo, sendo possível valorizar o contexto em que a gestante está inserida, e isto facilita bastante a criação de uma relação de confiança e identidade da gestante comigo (E23).

Em que pese essa constatação, por acasião da análise de 48 prontuários de gestantes do universo pequisado, foi detectada deficiência nos registros das açôes de enfermagen, fato que impide a sistematização da assistencia de enfermagem (SAE), condição indispensável a uma prática profissional com qualidade. Neste contexto, é relevante esclarecer que a SAE se delineia a través da consulta de enfermagem, entendida como o contato do efermeiro com o cliente, para a identificação dos problemas de saúde que conduz ao diagnóstico de enfermagem (carcterísticas definidoras em relação aos fatores de risco e níveis de prevenção), contribuindo para a elaboração de um plano de cuidados, composto pelas prescrições de enfermagem (Vanzin & Nery, 2000). A prescrição de enfermagem é entendida como qualquer intervenção ou cuidado de enfermagem para responder as necessidades básicas afetadas dos clientes (Gordon, 1994).

Assim sendo, é relevante acrescentar que a North American Nursing Association (NANDA) dispõe de 139 diagnóstico de enfemagem aprovados e que comtempla a área materno-infantil, facilitando sobremaneira a implementação da SAE (SPARKS, TAYLOR e DYER, 2000).

Entretanto, apesar da deficiência verificada nos registro dos prontuários, o que sinaliza para uma operacionalização inadequada ou ausente da SAE, nas respostas dadas aos questionários, os enfermeiros surpreenderam, ao descreverem um elenco de cuidados de enfermagem que, organizados em um plano de enfermagem, proporcionará, certamente, melhor desempenho profissional e melhor nível de saúde para mães e conceptos. Por tanto, o que se constata ao confrontar os resultados encontrados nas duas técnicas de pesquisa (aplicação de questionário e revisão de prontuários) é que os enfermeiros possuem conhecimiento técnico apropriado a implementação da SAE, mas que no en tanto não a desenvolvem.

Os referidos cuidados ás gestantes listados pelos enfermeiros estão apresentados a seguir, com a respectiva freqüência absoluta em que foram citados:

Quadro. Cuidados de enfermagem no pré-natal
MR de Baturité, 2001

Cuidados de enfermagem
Freqüência
Cidados com alimentacção (dieta hipercalórica, se desnutrida; dieta rica em ferro e vitaminas; dieta hipossódica, com ferro e fibras; orientação quanto a bons hábitos alimentares conforme a realidade de cada gestante,).
12
Cuidados voltados para atividades físicas (exercícios para melhorar a circulação; caminhada pela manhã, ao
sol; usar sapato baixo; evitar pegar peso; evitar subir ladeiras e escadas)
07
Cuidados de higiene (banho diario, troca de roupas, asseio com bicarbonato se prurido vulvar, assio com vinagre branco, uso de vestuário adequado)
06
Repousar em decúbito lateral esquerdo.
09
Elevar MMII, se edema
03
Dieta fracionada, ingesta de alimentos sólidos em jejum e evitar café, se enjôo
02
Ciudado com as mamas- execícios
02
Massagens com óleos, para estrias
01

Os dados do quadro 01, deixam bem clara a necessidade que têm os enfermeiros de sistematizarem a assistência a ser oferecida com base em princípios científicos e que produzca um impacto sobre a saúde da mãe e do concepto, bem como no sentido de proporcionar à mulher gestante, uma autonomia maior, para vivenciar, com segurança, o processo da maternidade. Sobre esse assunto, King (1981) propõe a metodología de Weed, baseada no prontuário orientado para o problema, a qual se constitui das seguintes etapas: a) exploração de dados de base dos clientes, incluindo informaçoes gerais sobre o processo saúde-doença; b) elaboração de uma lista de problemas identificados; c) priorização de metas a serem alcançads, com a participação de uma lista de problemas identificados; c) priorização de metas a serem alcançadas, com a participação dos clientes; d) elaboração de uma lista de cuidados necessários ao alcance de metas; e e) monitoração da implementação desses cuidados.

As gestantes pesquisadas também expressaram sentimentos de satisfação e segurança com relação as enfermeiras justificados através de dois aspectos principais: o pimeiro, que guarda relação com o fato de que 09 das enfermeiras jà haviam vivenciado a experiência da maternidade, com um grau de paridade entre 01 e 03 filhos, aspecto que pareceu favorável á interação enfermeiras-gestantes, uma vez que os dois sujeitos possuem experiências comuns a serem compartilhadas; e um segundo, atribuído à competência técnica dos enfermeiros, tendo sido comparados com médico e doutor, referenciais interpretados por essa população de gestantes, como o referencial de maior saber, culturalmente disseminado de geração a geração. Essas percepções foram expressas da seguinte forma:

Eu prefiro tá com a enfermeira. Sou mãe de onze filhos e vai ser com as enfermeiras. Ela já teve filho, né? Sabe muito. Elas são mulher igual a gente. Homem não pode entender de mulher como outra mulher. A enfermeira... deixa a gente a vontade (G9, G12 e G25).
(...) As enfermeiras chegam junto mesmo. Quando tive com três meses deu sangramento, agora deu uma infecção, mas tudo elas acompanham (no sentido de encaminhar) (G15).
É igual ao atendimento da médica. O atendimento dela é igual uma doutora (G8 e G19).

Esse achado corroba com o pressuposto de King de que as percepções (objetivos, necessidades, valores) de enfermeiros e clientes influenciam o processo de interação, ou seja, se os clientes percebem os enfermeiros com segurança, saber, confiança etc... certamente, estarão mais inteiros na interação e mais fácilmente alcançarão suas metas.

Conclusões

A aplicação da teoria do alcance de metas na discussão dos resultados deste estudo permitiu uma abordagem sistemática e lógica capaz de apoiar o enfermeiro no momento de estabelecer uma interação com sua cliente, com vistas á determinação, em conjunto, de metas de saúde, bem como estratégias para a sua consecução. A teoria mostrou-se atualizada e com características importantes, o que conduz as autoras a recomendar sua aplicação pela categoría profissional nessa área do cuidado. Guarda sintonia com a política pública de saúde vigente que estimula a co-participação do usuário no cuidado à sua saúde e guarda sintonia com a meta da assistência pré-natal de promover autonomía á gestante para exercer a maternidade com mayor segurança.

Acerca das percepções dos enfermeiros e das gestantes sobre a assistência de enfermagem no pré-natal, foram evidenciados no decorrer da análise dos depoimentos de enfermeiros e gestantes, aspectos que se correlacionam com os seguintes pressupostos da teoria de King: as percepções do enfermeiro e do cliente influenciam o processo de interação; é dever do enfermeiro informar os clientes quanto aos aspectos do cuidado à saúde; os clientes têm o direito de receber informações sobre os cuidados de sua saúde e participar dos decisões que influenciam sua saúde; a semelhança nas expectativas do papel do enfermeiro e do cliente quanto as expectativa do papel e do desempenho favorece a que ocorra transação.

Vale destacar o indicativo de déficit quanto a SAE, a pesar dos enfermeiros terem demonstrado possuir conhecimento à sua implementação, faltando-lhes somente desenvolver hablidades para realização do julgamento clínico, uma vez que ter atitude favorável a esse processo também foi constatado possuírem quando da análise quanto a interação e a comunicação e a enfermeiro-gestante.

Resumen

Se trata de un trabajo descriptivo que tuvo por objetivo analizar la asistencia de enfermería implementada en el pre-natal, a partir de las percepciones de los propios enfermeros y de las gestantes. Los datos se colectaron en 8 municipios del estado de Ceará, Brazil, entre mayo y junio de 2001 a través de las observaciones directas de los participantes, entrevistas a las gestantes, respuestas directas de los enfermeros a cuestionarios y revisión de historias clínicas. La muestra estuvo constituida por 30 enfermeros y 30 gestantes. Los resultados fueron analizados a la luz de la teoría de King. Se constató que los enfermeros establecieron una interacción satisfactoria con las pacientes y contribuyeron a la validación de los siguientes presupuestos de la teoría de King: el proceso de interacción se ve influenciado por las percepciones del enfermero y de la paciente, el enfermero debe informar a las pacientes los aspectos relacionados con el cuidado de la salud, lo que se corresponde con el derecho de esta de recibir tales informaciones y consecuentemente, participar en las decisiones que pueden influir en la misma; la congruencia de la percepción de los enfermeros y de los pacientes sobre el desempeño del papel profesional favorecieron que ocurriera la transacción, es decir, un ambiente adecuado entre enfermeros y pacientes para el logro de la metas: una buena asistencia prenatal. Los enfermeros demostraron poseer conocimiento técnico y una actitud favorable para la implementación de la sistematización de la asistencia de enfermería aunque no lo desempeñen en la práctica.

DeCS: ATENCIÓN PRENATAL/métodos; RELACIONES ENFERMERO-PACIENTE; ENFERMERIA EN SALUD COMUNITARIA; EMBARAZO

Summary

The present descriptive paper is aimed at analyzing the nursing assistance given at the prenatal stage on the basis of perceptions of nurses and pregnant women. Data were collected in 8 municipalities of the state of Ceará, Brazil from May to June,2001 through direct observation by participants, interviews to pregnant women, answers to questionnaires and note-summary reviews. The sample was made up of 30 nurses and 30 pregnant women. Results were analyzed using King´s theory. It was observed that nurses established satisfactory interaction with the patients and assisted in validating the following assumptions of King´s theory: the process of interaction is affected by the perceptions of nurse and patient; the nurse should tell the patient about health care aspects, which takes into account the right of the patient to receive information on health care and consequently, participate in decisions that influenced health; the agreement between the perceptions of nurses and those of patients as to the professional performance facilitated the transaction, that is to say, a suitable environment around nurses and patients for the attainment of goals. The nurses showed that they had proper technical knowledge and positive attitude in favor of systematizing nursing assistance, although they do not put it into practice.

Subject headings: PRENATAL CARE/methods; NURSE-PATIENT RELATIONS; COMMUNITY HEALTH NURSING; PREGNANCY.

Referencias bibliográficas

  1. Barnum BJS. Nursing theory: analysis, application, and evaluation. 5.ed. New York:Lippincott:1998.
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de políticas de Saúde. Área Técnica da Saúde da Mulher. Assistencia pré-natal: manual técnico.3.ed. Brasilia: SPS/MS;2000.66p.
  3. Chinn PL, Kramer MK. Theory and nursing: a systematic approach. 3. ed. Cidade: editora 1995.
  4. George JB. ( org.).In:_____Teorias de enfermagem: fundamentos para a prática profissional. 4. ed. Porto Alegre: Artes médicas;2000.
  5. Gordon M. Nursing diagnosis: process and application. 3ed. St Louis: Mosby;1994.421p.
  6. King IM. A theory for nursing: systems, concepts, process. New York: Wiley Medical Publications;1981.181p.
  7. Meleis AI. Theoretical nursing: development and progress. 3ed. Philadelphia: Lippincont;1997.
  8. Secretaria da Saúde (CE), 2001. Programa Saúde da Familia no Ceará. Fortaleza: Célula de Organização da Atenção Primária (CEOAP), [on line] 2002 Jun. Available from: URL:http://ceoap01/c/psf/saudedafamília.
  9. Sepúlveda MAC. Breve histórico dos programas nacionais de saúde materno-infantil.6p.Disponivel em:http://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/campinas.htm. Acesso em: 10 out.2000.
  10. Sparks SM, Taylor CM, Dyer JG. Diagnóstico em enfermagen. Río de Janeiro: Reichmann & Affonso editores;2000. 479p.
  11. Vanzin AS, Nery MES. Consulta de enfermagem: uma necessidade social? 2ed. Porto Alegre: RM&L;2000.193p.

Recibido: 26 de noviembre del 2002. Aprobado: 20 de diciembre del 2002
Enf. Escolástica Rejane Ferreira Moura. Rua Viana de Carvalho No. 180. Apto.203. Monte Castelo. CEP:60 325-820. Ceará, Fortaleza, Brasil. E-mail: escol@fortalned.com.br

* Parte da dissertação de mestrado institulada " Assistencia de enfermagem no pré-natal no contexto de Programa Saúde de Familia" apresentada ao Programa de Pós-graduação em Enfermagen da FFOE/UFC; financiada pela FUNCAP e SESA-Ce.
1 Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem. Assessora técnica da Secretaria da Saudé do Ceará.
2 Enfermería. Dra. em Filosofía da Enfermagem. Profa. Adjunta da Universidade Federal do Ceará.
3 Enfermeira. Profa. Dra. titular da Universidade de Fortaleza- UNIFOR.

Indice Anterior